A família de Jefferson Eduardo de Oliveira, 20, do município de Sobrália, Vale do Rio Doce, está vivendo um pesadelo. O jovem saiu do Brasil no dia 2 de novembro rumo ao México, para tentar atravessar a fronteira para os Estados Unidos, e foi encontrado morto em uma cidade chamada Nuevo Laredo, estado de Tamaulipas, no México, fronteira com o Texas, nos Estados Unidos. A família suspeita que ele possa ter sido assassinado.

O pai de Jefferson, o motorista Reginaldo Eduardo de Oliveira, 39, falou com a reportagem do Conteúdo Mineiro, via telefone, a caminho de Belo Horizonte, na tarde desta sexta-feira (18). Ele explicou que estava indo à capital tentar agilizar a retirada de um passaporte para poder viajar ao México para conseguir a liberação do corpo do filho.

No dia 2 de novembro, Eduardo partiu com uma pessoa, ainda desconhecida, da cidade de Engenheiro Caldas, rumo ao México. A última postagem dele no Facebook foi uma mensagem deixada às 13h55 (horário de Brasília) do dia 10 de novembro para a mulher, Tayná Assis, dizendo que estava com saudades. Na quarta-feira, 16, a família recebeu um contato do Consulado Brasileiro no México, informando que o corpo dele havia sido encontrado no sábado (12) no Rio Grande, que passa pela cidade de Nuevo Laredo.

Reginaldo disse que o filho estava indo para Boston, no estado de Massachusetts. ‘Ele sempre sonhou em ir para os Estados Unidos, mas eu não queria que fosse. Sempre tive um mau pressentimento quanto a isso’, disse o motorista bastante emocionado. Ele também contou que a família tem recebido notícias que indicam que Jefferson possa ter sido assassinado. ‘Estão nos dizendo que tem outro brasileiro que também foi encontrado morto. Eles podem ter sido assassinados por lá e a gente não está sabendo de nada’, declarou.

Campanha para o traslado

Uma prima de Jefferson fez uma postagem em uma comunidade de brasileiros na cidade de Boston, no Facebook, pedindo ajuda para a família fazer o traslado do corpo dele para o Brasil. No texto postado no grupo Bazar Boston, ela diz que a família necessita de pelo menos U$ 10 mil para trazer o corpo para o Brasil. O Conteúdo Mineiro tentou contato com a prima do rapaz, mas ela não respondeu à mensagem deixada. No entanto, o pai de Jefferson confirmou que há mesmo uma campanha de arrecadação de dinheiro para trazer o corpo do filho. Um link foi postado no Bazar Boston, na tarde desta sexta-feira, para doações.

Jefferson estava casado há cerca de seis meses. No Facebook da viúva, diversas mensagens de conforto deixadas por amigos e parentes.

Passagens

De acordo com informações obtidas pelo Conteúdo Mineiro com uma agente de turismo, que preferiu não se identificar, somente em uma agência são vendidas, por mês, cerca de 20 passagens para o México. Ela explicou que não dá para afirmar se o comprador está indo para tentar atravessar a fronteira. Em Governador Valadares, existem cerca de 40 agências de turismo.

A informação inicial era de que Jefferson estava em um bote com os outros brasileiros e que, ao cair, se afogou na travessia do rio na divisa dos dois países. A família do jovem aguarda detalhes sobre as circunstâncias de sua morte.

O Itamaraty informou que o Consulado do Brasil no México já foi comunicado, no sentido de que faça contato com as autoridades locais, buscando apurar as circunstâncias do incidente. O consulado já está em contato com a família do estudante.

 

Foto: Jefferson saiu do Brasil no dia 2 de novembro e teria morrido no dia 12, em Nuevo Laredo, no Mèxico (Foto: Divulgação/Facebook Jefferson Eduardo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui