A ação “Giro no RJ – 92 municípios” é idealizada pela carioca Silvia Blumberg e uma realização da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio (Sececrj)

O Rio de Janeiro possui um litoral de aproximadamente 635 Km de extensão. São inúmeras as belezas de um dos estados que recebe mais visitas no Brasil. O oceano que banha o Estado, assim como suas baías, enseadas e rios, adornam suas paisagens, justamente por isso não tem como passar despercebida uma das atividades mais antigas do mundo, a pesca. Poucos sabem, mas o Estado do Rio de Janeiro, já ocupou o primeiro lugar na produção referente à pesca extrativa marinha brasileira, hoje encontra-se em quarto lugar atrás de Santa Catarina, Pará e Bahia (MPA, 2009). Ressaltando a importância desta atividade e constatando a necessidade de criar elos entre as cidades que formam o Estado do Rio de Janeiro, a carioca Silvia Blumberg através da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio, criou o projeto “Giro RJ – 92 municípios” que tem como objetivo trazer trabalhadores – independente do gênero, classe e idade -, como protagonistas de suas ações, fomentar seus negócios e estimular políticas públicas que os apoiem e ainda mostrar muitas ocupações ociosas que podem ser preenchidas através de capacitação daqueles que estão desempregados.

“Acreditamos que, como cidadãos, temos o dever de conhecer e reconhecer as nossas riquezas. Admirar e produzir a merecida valia que o estado nos apresenta como múltiplas potencialidades. Também vamos destacar a presença e força das minorias neste universo”, destaca Silvia Blumberg que é assessora da SECECRJ, e reconhecida nacional e internacionalmente por seu trabalho sustentável e de engajamento em questões ambientais. Silvia já trabalhou com reaproveitamento de matérias como pó de madeira, raspas de tijolo e sumo de vegetais.

Impacto Social

A ação “Giro no RJ – 92 municípios” traz debates online para fomentar as potencialidades e riquezas dos 92 municípios do Rio nas páginas do Facebook e Youtube da (SECECRJ). A primeira live teve como tema “A pesca artesanal: da rede à mesa” e contou com a parceria da Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico da Pesca e Aquicultura do Rio de Janeiro e os encontros do projeto sempre terão a participação de especialistas e personalidades da cultura do estado. O ator e apresentador Mateus Solano participou do primeiro debate.

Na primeira etapa, o projeto vai destrinchar a cadeia produtiva da pesca e sua ligação com a cultura e as economias criativa e circular em todo o estado. Nos capítulos à frente, outros segmentos serão discutidos, como agricultura e turismo cultural. “Sabemos que o empreendedorismo é vocação de muitos fluminenses. homens, mulheres, LGBTQI+ atuam em ofícios e projetos que muitas vezes a grande maioria desconhece. São pessoas que fazem vários tipos de economias funcionar e são mantidas nos bastidores. Acreditamos que, como cidadãos, temos o dever de conhecer e reconhecer as nossas riquezas. Admirar e produzir a merecida valia que o estado nos apresenta como múltiplas potencialidades.” Completa Silvia.

Silvia Blumberg: uma carioca em movimento

Quando se fala em nomes no Rio de Janeiro que propagam impacto social, consumo consciente e sustentabilidade, logo se vê Silvia Blumberg, que hoje divide sua agenda como assessora da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio. Silvia ganhou notoriedade como designer realizando um trabalho bastante inusitado, baseado em tudo o que vivenciou no período em que trabalhava como assistente social. Capaz de transformar lixo em luxo, Silvia Blumberg já ganhou diversos prêmios na área do design, participou da FENINJER (Feira Nacional da Indústria de Joias, Relógios e Afins), e teve suas joias importadas para países como Estados Unidos, Canadá, Panamá e Israel. Em 2005 e 2006, participou do curso de Moda e Gestão ministrado em parceria entre a AZOV e a UniverCidade, onde desenvolveu ainda mais suas habilidades com grandes nomes como Lu Catoira (fundadora do Senai Cetiqt) e Paula Acioli (Coordenadora de Moda da FGV).  Em 2001 foi finalista nas Américas do American Facet Award – concurso promovido pela Signity – e ficou entre as 20 joias mais belas, em 2002 ganhou o segundo lugar no Prêmio IBGM (Instituto Brasileiro de Gemas e Metais) com o colar Mata Atlântica, na categoria Joias Artesanais, em 2012 recebeu do Sebrae o prêmio de Brasilidade e Sustentabilidade, entregue durante o Fashion Rio como reconhecimento pelo trabalho desenvolvido com produtos com menor impacto ambiental e em 2014 participou do Encontro Latino Americano de Design, na Universidade de Palermo, em Buenos Aires. No mesmo ano foi incluída no comitê da moda da América Latina.

O trabalho de Silvia Blumberg na sustentabilidade teve início em 2008, logo após a ocorrência das enchentes que castigaram Santa Catarina, região Sul do país. A destruição e o desamparo da população tocaram a designer e fizeram nascer nela o desejo de produzir um trabalho mais sustentável, com mais respeito à natureza. Silvia começou a estudar o meio ambiente e introduzir materiais que seriam descartados em suas criações. Sua primeira experimentação foi com resíduos da construção civil, como cimento e raspas de tijolo. Depois passou a incorporar elementos da própria natureza, como bagaço de cana, asas de besouros, pedaços de chifres – todos recolhidos de forma natural, no solo. A própria prata que utiliza nas peças é fruto de reciclagem de radiografias.

A linha descartável de Silvia recebeu prêmios, rendeu convites para feiras e eventos, além da aparição de suas joias em programas de televisão de diversas emissoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *